Raio:
58e8fdf8a7.jpeg

Descoberto método para formação de novos vasos sanguíneos no coração.

Uma investiga√ß√£o internacional, liderada por Henrique Gir√£o, da Faculdade de Medicina de Coimbra, ¬ępermitiu descobrir como induzir a forma√ß√£o de novos vasos sangu√≠neos no cora√ß√£o, usando exossomas produzidos por c√©lulas em cultura¬Ľ.

De acordo com¬†uma nota enviada √† Lusa, a descoberta poder√° abrir caminho para ¬ęabordagens terap√™uticas inovadoras no tratamento de doen√ßas cardiovasculares¬Ľ.

Os exossomas ¬ępequenas ves√≠culas sinalizadoras que permitem a comunica√ß√£o e partilha de informa√ß√£o entre c√©lulas, √≥rg√£os e tecidos¬Ľ ‚Äď podem ser encontrados na maioria dos fluidos biol√≥gicos, incluindo sangue, urina e saliva, circunst√Ęncia que tem merecido grande aten√ß√£o por parte dos cientistas, dado o seu ¬ęenorme potencial terap√™utico e de diagn√≥stico¬Ľ.

A Universidade de Coimbra explica que, no estudo, os investigadores demonstraram que o ‚Äėconte√ļdo‚Äô destas pequenas ves√≠culas varia com as condi√ß√Ķes a que o cora√ß√£o √© sujeito, isto √©, a informa√ß√£o veiculada pelos exossomas √© determinada pelos est√≠mulos, ou danos, induzidos no cora√ß√£o, como √© o caso da isquemia, que leva ao enfarte do mioc√°rdio.

A partir desta informa√ß√£o, a equipa de especialistas descobriu que exossomas libertados por c√©lulas do m√ļsculo card√≠aco sujeitas a isquemia t√™m a capacidade de libertar sinais que promovem o crescimento de novos vasos sangu√≠neos no cora√ß√£o.

As c√©lulas do m√ļsculo card√≠aco ¬ęquando deixam de ser devidamente alimentadas, por priva√ß√£o de nutrientes e oxig√©nio, devido √† obstru√ß√£o de um vaso sangu√≠neo, emitem pedidos de ajuda com o objetivo de estimular o crescimento de novos vasos sangu√≠neos que possam compensar os que se encontram bloqueados ou disfuncionais, permitindo restabelecer a circula√ß√£o sangu√≠nea e a fun√ß√£o card√≠aca¬Ľ, adianta Henrique Gir√£o, citado pela Universidade de Coimbra.

Os especialistas come√ßaram, assim, por ¬ęidentificar o tipo de mensagem que √© emitido pelas c√©lulas do m√ļsculo card√≠aco, quando expostas a condi√ß√Ķes adversas¬Ľ. Depois, acrescenta o investigador da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, foi demonstrado que s√£o ¬ęexossomas ricos em determinadas mol√©culas reguladoras, denominadas miRNA, os respons√°veis por induzir os mecanismos que levam ao crescimento de novos vasos sangu√≠neos, num processo designado como angiog√©nese¬Ľ.

Ensaios realizados, no √Ęmbito do mesmo estudo, com ratinhos de laborat√≥rio, aos quais foram aplicados, atrav√©s de uma inje√ß√£o intracard√≠aca, exossomas libertados pelas c√©lulas danificadas, permitiram verificar que, ao fim de um m√™s, os cora√ß√Ķes dos animais sujeitos ao tratamento apresentavam mais vasos sangu√≠neos e registavam uma melhoria da fun√ß√£o card√≠aca.

A descoberta, j√° publicada na revista cient√≠fica Cardiovascular Research, pode ¬ęabrir portas a abordagens terap√™uticas inovadoras para tratar doen√ßas do cora√ß√£o provocadas por disfun√ß√£o vascular como, por exemplo, no caso do enfarte do mioc√°rdio, a principal causa de morbilidade e mortalidade em todo o mundo¬Ľ, salienta Henrique Gir√£o.

¬ęPara al√©m de doen√ßas card√≠acas, esta abordagem poder√° ser √ļtil em outras patologias em que a terapia passe pela promo√ß√£o do crescimento de novos vasos¬Ľ, observa o investigador.

Financiado pela Funda√ß√£o para a Ci√™ncia e Tecnologia e por fundos europeus, o estudo teve a participa√ß√£o de investigadores do Centro de Estudos de Doen√ßas Cr√≥nicas da Universidade de Nova de Lisboa, do Instituto de Medicina Molecular, do Imperial College London e da Faculty of Medicine ‚Äď University of Geneva.

 

Fonte: Lusa

Fonte original: SNS – Servi√ßo Nacional de Sa√ļde

SNS 24

Colocado por | 7 horas atrás | Notícias

84348431a3.jpeg

Centro de Contacto do SNS  inaugurado hoje, 24 de julho.

O Centro de Contacto do Servi√ßo Nacional de Sa√ļde (SNS), que vai integrar a Sa√ļde 24,¬†foi inaugurado hoje, numa cerim√≥nia¬†que decorreu na Av.¬™ de Madrid, N.¬ļ 8-A, em Lisboa, pelas 11h30.

A sess√£o de encerramento do servi√ßo, no qual passam a ser disponibilizados servi√ßos de natureza informativa, administrativa, triagem e orienta√ß√£o para avalia√ß√£o de sintomas e de telecuidados esteve a cargo do Ministro da Sa√ļde, Adalberto Campos Fernandes.

O novo Centro de Contacto do SNS, que mant√©m o n√ļmero 808 24 24 24, vai disponibilizar ao cidad√£o um conjunto de informa√ß√Ķes e servi√ßos que facilitam o acesso e simplificam a utiliza√ß√£o do Servi√ßo Nacional de Sa√ļde, desde informa√ß√Ķes gerais e¬†marca√ß√£o de consultas¬†a presta√ß√£o de telecuidados de enfermagem.

No √Ęmbito dos servi√ßos de telecuidados ser√° disponibilizada a ¬ęavalia√ß√£o biopsicossocial s√©nior¬Ľ a partir do segundo semestre de 2017.

De acordo com Henrique Martins, Presidente da SPMS-Servi√ßos Partilhados do Minist√©rio da Sa√ļde, ¬ęo novo centro de contacto do SNS √© uma solu√ß√£o que cresce a partir da linha Sa√ļde 24 e que queremos que seja cada vez mais utilizada, mas que passa a ter outras formas de comunicar, nomeadamente explorando mais o digital, a presen√ßa nos ‚Äėsites‚Äô e em aplica√ß√Ķes de telem√≥vel¬Ľ.

Mais do que uma linha de atendimento, o SNS 24 ¬ęaposta na cria√ß√£o de novos servi√ßos complementares aos j√° existentes na antiga linha de sa√ļde 24, desenvolvendo, progressivamente, novas respostas de servi√ßos informativos, administrativos e de telessa√ļde¬Ľ.

Para al√©m do atendimento telef√≥nico, o SNS 24 vai ser acess√≠vel ao cidad√£o pela Internet, atrav√©s de v√°rios canais, como¬†‚Äėsmartphone‚Äô, aplica√ß√Ķes m√≥veis e atrav√©s da √°rea do cidad√£o do Portal SNS.

¬ęVai ser poss√≠vel, por exemplo, marcar consultas com o m√©dico de fam√≠lia, tratar diversas mat√©rias administrativas que hoje obrigam a desloca√ß√£o √†s unidades de sa√ļde, promovendo a proximidade do profissional de sa√ļde e do utente ao SNS¬Ľ, acrescentou o respons√°vel da SPMS.

O SNS 24 vai integrar serviços informativos, serviços administrativos, serviços de triagem, aconselhamento e encaminhamento e ainda serviços de telecuidados.

Segundo o presidente dos SPMS, um dos servi√ßos que est√° a ser desenvolvido √© a telemonitoriza√ß√£o no domic√≠lio de algumas doen√ßas cr√≥nicas. A telemonitoriza√ß√£o consiste num modo de seguimento de doentes √† dist√Ęncia, com transmiss√£o de dados cl√≠nicos e disponibilizando apoio.

O novo centro de contacto do SNS incluirá ainda uma nova faceta dirigida à população mais idosa, que pode passar por realizar chamadas regulares a pessoas que vivam em isolamento.

¬ęQueremos ter contacto telef√≥nico com o idoso, mas sem substituir a fun√ß√£o de um centro de sa√ļde, queremos antes ajud√°-los e sabemos que h√° dificuldades das unidades no terreno para fazer telefonemas regulares¬Ľ, afirmou Henrique Martins √† Lusa.

A SPMS est√° ainda a trabalhar para que seja poss√≠vel os utentes do SNS passarem a poder marcar uma consulta atrav√©s da televis√£o de casa, o que est√° integrado num novo concurso que vai ser lan√ßado para a rede inform√°tica do Minist√©rio da Sa√ļde.

Servirá sobretudo para cidadãos que não têm ou não sabem usar computador, podendo aceder na televisão, usando de forma simples o controlo remoto, a serviços da área do cidadão do SNS que por enquanto só estão disponíveis em computador.

No novo centro de contacto do SNS v√£o ser investidos cerca de 30 milh√Ķes de euros nos pr√≥ximos tr√™s anos, um investimento que quase duplica face √† realidade da at√© agora Linha Sa√ļde 24.

Atualmente, h√° cerca de 1,6 milh√Ķes de portugueses inscritos na √°rea do cidad√£o do SNS e diariamente marcam-se cerca de cinco mil consultas para os centros de sa√ļde atrav√©s desta via, conclui a SPMS.

Fonte original: SNS – Servi√ßo Nacional de Sa√ļde

e1e9eebbd7.jpeg

Os inpíduos que mantêm o seu coração saudável na juventude, poderão evitar a redução da massa cerebral décadas mais tarde, atestou um novo estudo.

Conduzido por uma equipa de investigadores liderada por Michael Bancks da Faculdade de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern, EUA, o estudo apurou que a obtenção de uma boa pontuação em sete medidas para melhorar a saúde cardiovascular, promove uma melhor pontuação em testes cognitivos.

Criadas pela Associação Americana do Coração, as medidas conhecidas como “Life’s Simple Seven” consistem em manter uma pressão arterial saudável, controlar o colesterol, reduzir a glicose no sangue, ser ativo, comer de forma saudável, perder peso e deixar de fumar.

Para o estudo, a equipa analisou dados de 518 inpíduos com uma média de 51 anos de idade e que tinham sido seguidos durante 30 anos. No início do estudo, os participantes foram avaliados relativamente à altura, peso, tensão arterial, colesterol, alimentação, exercício físico e glicose no sangue.

Os participantes foram posteriormente avaliados a cada dois a cinco anos e fizeram ecografias ao cérebro 25 anos após o início do estudo.

Os investigadores atribuíram pontuações à adesão dos participantes aos sete passos para um coração saudável após 25 anos: de 0 a 7 foi considerada como adesão fraca, de 8 a 11, adesão média e de 12 a 14, uma adesão ideal.

No início do estudo 5% dos participantes demonstravam uma adesão fraca, 62% média e 33% ideal. Ao fim de 25 anos, 26% demonstravam uma adesão fraca, 58% média e 16% uma adesão ideal.

Foi verificado que os inpíduos com uma melhor pontuação nos passos para um coração saudável no início do estudo, apresentavam em média um volume cerebral maior na meia-idade. A equipa observou igualmente uma associação mais forte entre fumar na atualidade e um volume cerebral mais pequeno do que com os outros fatores.

Uma limitação deste estudo é o facto de só ter sido efetuada uma ecografia ao cérebro dos participantes. Não ficou claro também de a saúde cardíaca afeta o tamanho do cérebro ou se o tamanho do cérebro numa idade mais jovem poderá influenciar os comportamentos que afetam a saúde cardíaca, sendo, portanto, necessários mais estudos.

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

4ae734a70b.jpeg

INFARMED vai divulgar mais informação para utilização eficiente.

O INFARMED ‚Äď Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Sa√ļde, IP, vai ter um papel mais proativo na divulga√ß√£o de informa√ß√£o, para uma utiliza√ß√£o mais eficiente de medicamentos. Para isso, pretende dotar os hospitais e os profissionais de sa√ļde de informa√ß√£o mais completa sobre a avalia√ß√£o de medicamentos e sobre o desempenho das unidades na sua utiliza√ß√£o.

Esta foi uma das medidas anunciadas pela Presidente do Conselho Diretivo, Maria do C√©u Machado, durante a reuni√£o de acompanhamento dos hospitais do Servi√ßo Nacional de Sa√ļde (SNS), organizada pela Administra√ß√£o Central do Sistema de Sa√ļde (ACSS).

Além do benchmarking disponível no portal do INFARMED, o objetivo é elaborar e facultar a cada hospital um dashboard com áreas nucleares, como a utilização de medicamentos biológicos, a infeção VIH/sida e a prescrição para levantamento nas farmácias comunitárias ou ainda dados sobre o uso de antibióticos.

Foram divulgadas informa√ß√Ķes relevantes como a redu√ß√£o de doses administradas de antibi√≥ticos nos hospitais e um maior uso de medicamentos gen√©ricos e biossimilares, apesar de se manter o crescimento do gasto com medicamentos no √ļltimo ano.

O Ministro da Sa√ļde, Adalberto Campos Fernandes, encerrou a sess√£o com palavras de ‚Äúreconhecimento aos hospitais‚ÄĚ, afirmando que ‚Äúest√£o mais resolutivos, mais coesos e mais pacificados.‚ÄĚ

Para saber mais, consulte:

Infarmed > www.infarmed.pt

Fonte original: SNS – Servi√ßo Nacional de Sa√ļde

bf1d253e8c.jpeg

Portugal tem uma lista de espera para transplante renal de duas mil pessoas, expôs a presidente da Sociedade Portuguesa de Transplantação (SPT).

Em declarações à agência Lusa, à margem das comemorações do primeiro transplante de rim em Portugal, realizado a 20 de julho de 1969, Susana Sampaio chamou a atenção para o problema em torno do órgão mais transplantado a nível mundial.

"Em Portugal, e no mundo, o transplante que mais se realiza é o renal e, por isso, temos mais gente em lista de espera, sendo que em Portugal existem cerca de duas mil pessoas à espera”, revelou. O tempo de espera, “depende do grupo sanguíneo, mas pode chegar aos cinco anos e meio desde o início da diálise", acrescentou.

Segundo Susana Sampaio, "talvez por questões epidemiológicas, tensões menos controladas e menos idas ao médico" são os homens quem mais figura na lista nacional de espera pelo transplante renal.

A especialista chamou a atenção para a necessidade do aumento em vida do número de doações do rim pois "os números nacionais e mundiais em termos de doação de cadáver não conseguem suprir as necessidades", alertou.

Susana Sampaio considerou que o mais importante é “chamar a atenção que a gravidez, principalmente para a mulher transplantada, tem de ser planeada".

"Há cuidados especiais a ter neste grupo de mulheres, devido à medicação imunossupressora que, diminuindo o risco de rejeição do órgão, não é boa porque pode conduzir a malformações fetais", disse.

Planear, trocar a imunossupressão e vigiar a estabilidade da situação em termos de função do órgão são, para a presidente da SPT, os passos necessários antes de planear a gravidez.

"O sucesso depende do grau de acompanhamento e do incremento das sessões de diálise para que os tóxicos que a mulher que sofre de doença renal tem no sangue diminuam e não afetem o feto", explicou, adiantando que essas gravidezes resultam normalmente em "crianças de baixo peso e, muitas vezes, em partos prematuros".

Com fármacos imunossupressores contraindicados em caso de gravidez, a especialista deu conta de "alternativas com menos toxicidade", num processo em que é "imperioso controlar a tensão arterial e ser bem medicada".

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

b6dc6e4711.jpeg

Os corações artificiais, que vão nos próximos anos substituir progressivamente a transplantação, foram este ano implantados com sucesso em Portugal, anunciou a agência Lusa.

O primeiro implante de um coração artificial bem-sucedido ocorreu em março num doente de 64 anos, numa intervenção feita no Hospital de Santa Marta pela equipa do cirurgião José Fragata, pioneiro em várias intervenções na área cardiotorácica em Portugal.

O doente sofria de insuficiência cardíaca e não podia receber um coração transplantado devido aos danos que lhe provocaria, nos rins, a medicação. A solução passaria por um coração transplantado, mas o facto de o doente sofrer de doença renal e por causa dos efeitos nos rins dos fármacos para a imunodepressão, essa hipótese foi posta de lado.

Assim, em março, este doente português juntou-se, aos 1.200 que em todo o mundo, na altura, tinham já recebido um coração artificial daquela geração, podendo chegar a viver 11 a 12 anos.

Trata-se de “uma bomba muito diferenciada, que funciona por levitação magnética, aspira o sangue da ponta esquerda do coração e injeta na aorta a que está ligada por uma ‘drive line’ que sai pela parede abdominal do doente e que se liga a um conjunto de baterias”, explicou, na altura, o cirurgião José Fragata.

No fundo, comparando, “é como um telemóvel que tem carga de 17 horas e que à noite é preciso ligar a um carregador”.

Das 20 a 30 pessoas que aguardam por um transplante de coração em Portugal, este coração artificial deverá ser uma resposta para “quatro, cinco ou seis”, estima José Fragata.

Perto de 50 portugueses recebem todos os anos, em média, um novo coração, sendo que o número de transplantes cardíacos é “muito inferior às necessidades”, segundo a Sociedade Portuguesa de Cardiologia.

Os cardiologistas estimam que nas próximas décadas a transplantação seja progressivamente substituída pelo coração artificial e outras formas de assistência ventricular mecânica. O número de dadores de coração tem vindo a diminuir e a qualidade dos dadores também constitui uma ameaça à transplantação cardiovascular.

Os dadores “nunca serão suficientes para as necessidades”, daí que o caminho futuro seja a progressiva substituição da transplantação pelos corações artificiais e outras formas mecânicas.

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

e37f1327c1.jpeg

Novo manual inclui recomenda√ß√Ķes para situa√ß√Ķes de emerg√™ncia.

A Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde (DGS), atrav√©s do Programa Nacional para a Promo√ß√£o da Alimenta√ß√£o Saud√°vel, lan√ßou, no dia 21 de julho, o manual ¬ęRecomenda√ß√Ķes gerais para a alimenta√ß√£o dos Bombeiros¬Ľ, que vem colmatar uma lacuna nesta √°rea.

Trata-se de um conjunto de recomenda√ß√Ķes alimentares para um desempenho √≥timo dos bombeiros e, adicionalmente, um contributo para melhorar o estado de sa√ļde destes profissionais ao longo do ano.

Para al√©m das recomenda√ß√Ķes gerais para uma alimenta√ß√£o saud√°vel, que devem fazer parte do dia-a-dia destes profissionais, √© apresentado um conjunto de recomenda√ß√Ķes nutricionais e alimentares espec√≠ficas para os per√≠odos de atividade intensa, em particular o combate a inc√™ndios. Integra, tamb√©m,¬†uma proposta de um kit alimentar individual para bombeiros em situa√ß√Ķes de emerg√™ncia.

O manual contempla, ainda, algumas recomenda√ß√Ķes para a alimenta√ß√£o a fornecer nos dias de combate a inc√™ndio, quando estas s√£o disponibilizadas por restaurantes, institui√ß√Ķes ou pelas pr√≥prias corpora√ß√Ķes de bombeiros.

Para saber mais, consulte:

Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde ‚Äď www.dgs.pt

Blogue Nutrimento

Fonte original: SNS – Servi√ßo Nacional de Sa√ļde

eb46a4369d.jpeg

A Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde atrav√©s do Programa Nacional para a Promo√ß√£o da Alimenta√ß√£o Saud√°vel lan√ßa hoje um Manual com o t√≠tulo “Recomenda√ß√Ķes gerais para a alimenta√ß√£o dos Bombeiros”. Este documento vem colmatar uma lacuna nesta √°rea, fornecendo um conjunto de recomenda√ß√Ķes alimentares para um desempenho √≥timo dos bombeiros e adicionalmente um contributo para melhorar o estado de sa√ļde destes profissionais ao longo do ano.

Para al√©m das recomenda√ß√Ķes gerais para uma alimenta√ß√£o saud√°vel, que devem fazer parte do dia-a-dia destes profissionais, apresenta-se um conjunto de recomenda√ß√Ķes nutricionais e alimentares espec√≠ficas para os per√≠odos de atividade intensa, em particular o combate a inc√™ndios.

Numa primeira fase √© apresentado um conjunto de recomenda√ß√Ķes gerais para uma alimenta√ß√£o saud√°vel que dever√° fazer parte do dia-a-dia destes profissionais. De seguida destacam-se recomenda√ß√Ķes nutricionais e alimentares espec√≠ficas para os per√≠odos de atividade profissional intensa, integrando uma proposta de um kit alimentar individual para bombeiros em situa√ß√Ķes de emerg√™ncia. Este manual contempla ainda algumas recomenda√ß√Ķes para a alimenta√ß√£o a fornecer nos dias de combate a inc√™ndio quando s√£o disponibilizadas por restaurantes, institui√ß√Ķes ou pelas pr√≥prias corpora√ß√Ķes de bombeiros.

Para mais informação consulte o blogue do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável.

Fonte Original: Dire√ß√£o-Geral de Sa√ļde

af1ed19722.jpeg

Uma equipa de investigadores identificou dois genes que influenciam o risco de se desenvolver a doença de Alzheimer.

Num estudo conduzido por Julie Williams e equipa, da Faculdade de Medicina da Universidade de Cardiff, Reino Unido, o novo achado que vem na sequência da identificação de 24 genes de suscetibilidade para a doença, permitirá melhor perceber os mecanismos da Alzheimer e possivelmente desenvolver novos tratamentos.

Para o estudo, os investigadores analisaram o ADN de 85.133 inpíduos com o intuito de identificarem variantes genéticos associados à doença. O estudo foi conduzido em três etapas diferentes.

Primeiramente, a equipa procedeu à genotipagem de 34.174 amostras e encontraram 200.000 variações genéticas. Seguidamente analisaram aquelas variantes para detetarem variações comuns e raras. Após terem excluído as variantes já conhecidas associadas à Alzheimer, ficaram com 43 variações.

Seguidamente, na segunda etapa, os investigadores examinaram 35.962 amostras independentes e testaram as variações genéticas que tinham identificado na primeira etapa em participantes com doença de Alzheimer tardia.

Na terceira etapa, a equipa estudou mais 14.997 amostras com o objetivo de descobrirem quais das associações identificadas na segunda etapa eram mais significativas.

As variações genéticas foram sendo excluídas até restarem duas que nunca tinham sido antes associadas à doença de Alzheimer. Foi também identificada uma nova mutação num terceiro gene, o qual já se sabia estar implicado na doença de Alzheimer tardia.

Os investigadores concluíram que os dois genes são altamente expressados nas micróglias e os seus “achados genéticos demonstram com mais evidência que a resposta imune mediada pelas micróglias contribui diretamente para o desenvolvimento da doença de Alzheimer”.

“Estes mesmos genes, os quais sugerem que as células imunes no cérebro desempenham um papel causal na doença, são muito boas bases para um potencial tratamento farmacológico”, afirmou Rebecca Sims, primeira autora do estudo.

Doug Brown, diretor de Investigação e Desenvolvimento da Associação da Alzheimer no Reino Unido, comentou os achados: “estes genes reforçam um papel crítico desempenhado por umas células especiais do cérebro – chamadas micróglias – que são responsáveis por limparem resíduos, incluindo células e proteínas danificadas”.

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

2882930e4f.jpeg

Projeto da ARSLVT visa aumentar a oferta e o n√ļmero de dadoras.

A Administra√ß√£o Regional de Sa√ļde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) √© a √ļnica no pa√≠s com um Banco de Leite Humano, em funcionamento na Maternidade Alfredo da Costa (MAC).

Com o objetivo de promover o aleitamento materno e aumentar o n√ļmero de dadoras deste banco, a Presidente do Conselho Diretivo da ARSLVT, Rosa Valente de Matos, assinou um protocolo de coopera√ß√£o com a Presidente do Conselho de Administra√ß√£o do Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), Ana Escoval, que pretende fomentar a rela√ß√£o entre este centro hospitalar e o Agrupamento de Centros de Sa√ļde (ACES) Lisboa Ocidental e Oeiras.

Este acordo espec√≠fico da ARSLVT com o ACES Lisboa Ocidental e Oeiras e o CHLC vai permitir aumentar a oferta de leite humano pasteurizado na nutri√ß√£o de rec√©m-nascidos muito prematuros na MAC, podendo este leite ser fornecido, mediante pedido e protocolos previamente assinados entre as respetivas institui√ß√Ķes, a outras unidades de cuidados intensivos neonatais da √°rea da grande Lisboa. Este ACES foi o primeiro e at√© agora √ļnico ACES em Portugal a receber a certifica√ß√£o como ‚ÄúUnidade de Sa√ļde Amiga dos Beb√©s‚ÄĚ pela UNICEF.

Na mesma sess√£o, a Miss√£o Continente premiou um dos projetos do ACES Lisboa Ocidental e Oeiras, tamb√©m relacionado com o aleitamento materno. O projeto ‚ÄúPromo√ß√£o e Apoio do Aleitamento Materno num ACES Amigo dos Beb√©s‚ÄĚ recebeu um dos pr√©mios da Miss√£o Continente, no valor de 36.863 euros. Esta verba ser√° aplicada em equipamentos e material m√©dico e de enfermagem, mobili√°rio, equipamento inform√°tico e audiovisual, material did√°tico, obras e forma√ß√£o.

A ideia √© formar os profissionais de sa√ļde deste ACES nesta √°rea de presta√ß√£o de cuidados a gr√°vidas, m√£es e beb√©s. Um dos objetivos √© contar com um cantinho de amamenta√ß√£o em todas as unidades assistenciais, dar informa√ß√£o √†s gr√°vidas e casais sobre a vantagem do aleitamento materno, preven√ß√£o de dificuldades e momentos em que pode ser necess√°rio apoio. Com isto pretende-se tamb√©m formar um grupo de m√£es para que sejam dadoras para o Banco de Leite Humano da MAC.

Visite:

Administra√ß√£o Regional de Sa√ļde de Lisboa e Vale do Tejo ‚Äď Not√≠cias

Centro Hospitalar Lisboa Central¬† ‚Äď Banco de Leite Humano

Fonte original: SNS – Servi√ßo Nacional de Sa√ļde