Radius:
3c9d5940ce.jpeg
bb696fe347.jpeg
068a2ef5f2.jpeg

ARS Lisboa e Vale do Tejo e Infarmed reforçam colaboração.

Os médicos de família da Administração Regional de Saúde (ARS) de Lisboa e Vale do Tejo vão ser mais envolvidos na vigilância da segurança e na notificação de reações adversas a medicamentos. Para esse efeito, a ARSLVT e o Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde anunciaram, no dia 16 de fevereiro de 2017, o reforço da colaboração no âmbito da farmacovigilância.

Na mesma data, 16 de fevereiro, foi inaugurada a Unidade de Farmacovigilância do Infarmed, a oitava a integrar o Sistema Nacional de Farmacovigilância, cujo número de unidades duplicou no último ano. Esta unidade ficará a cargo da Direção de Gestão do Risco de Medicamentos do Infarmed e vai cobrir uma população de cerca de um milhão de habitantes.

De acordo com o Infarmed, o envolvimento dos médicos de família será fundamental para reduzir a subnotificação, garantindo a recolha de mais informação sobre os medicamentos utilizados, a deteção de reações adversas menos frequentes e uma vigilância mais apertada numa altura em que os medicamentos são utilizados em fases cada vez mais precoces.

O reforço da notificação de reações adversas irá permitir o desenvolvimento de estudos em colaboração com a Agência Europeia do Medicamento, bem como um registo mais robusto da experiência de utilização de medicamentos, acrescenta o instituto.

Recorda-se que, para além dos profissionais de saúde, o Infarmed tem incentivado os utentes a reportar reações adversas. Com esse objetivo, participou numa campanha de informação de âmbito europeu no final do ano passado.

Para saber mais, consulte:

Infarmed – Comunicado

Fonte original: SNS РServi̤o Nacional de Sa̼de

62aa6981e8.jpeg
dfa4519b7d.jpeg

Bolinhos de bacalhau e grão é a 1.ª receita da nova edição.

A Direção-Geral da Saúde (DGS), através do Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável (PNPAS), lança uma nova temporada de receitas saudáveis, que consiste num conjunto de curtos vídeos com receitas, realizadas em conjunto com a Faculdade de Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto,  que podem ser facilmente partilhadas por todos.

Disponível desde o dia 20 de fevereiro, “Bolinhos de bacalhau e grão-de-bico” é a primeira receita da nova edição. “Uma ótima sugestão para uma refeição de sabor bem português, equilibrada, saborosa, muito fácil de fazer e que pode levar consigo para todo o lado”, de acordo com o Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável.

A entidade da DGS aproveita para aconselhar o consumo das leguminosas, referindo que “o grão-de-bico é um excecional alimento que merece uma atenção redobrada pelo seu singular valor nutricional”, e aponta as seguintes razões para o seu consumo regular:

  • Baixo valor energético (cerca de 164 kcal por 100g), podendo desempenhar um papel importante no controlo do apetite devido à sua composição com valores elevados de proteína, fibra e hidratos de carbono de absorção lenta;
  • Elevado teor em fibra (8g por cada 100g de grão cozido). As diversas substâncias presentes na fibra, mais ou menos indigeríveis, são importantes na manutenção de um adequado funcionamento intestinal na redução dos níveis plasmáticos de colesterol e na modulação da glicémia (níveis de açúcar no sangue);
  • Grande valor vitamínico, em particular de vitaminas do complexo B, com particular destaque para o ácido fólico uma vitamina cujas necessidades estão aumentadas na gravidez, permitindo, quando consumida em doses adequadas, reduzir o risco de defeitos no tubo neural;
  • Grande valor mineral, principalmente em ferro, magnésio, potássio, zinco, cobre manganésio, entre outros;
  • Presença elevada de substâncias químicas bioativas como os compostos fenólicos, oligossacáridos e inibidores enzimáticos que podem ter um papel importante na prevenção de doenças crónicas. Entre estas substâncias, podemos encontrar, no grão, carotenoides como β-carotenos, luteína, xantinas e licopenos. Pensa-se que estas substâncias, quando consumidas em quantidades adequadas e de forma regular, podem neutralizar os radicais livres e combater o processo de envelhecimento das células;
  • Valor elevado de proteína vegetal. Apesar de a proteína do grão não ser completa, ao ser combinada com cereais, como o arroz, o seu aproveitamento pelo organismo aumenta;
  • O cultivo e a produção de grão são importantes para a proteção do ambiente. O grão, à semelhança de outras leguminosas, possui a capacidade de absorver e produzir naturalmente azoto, não sendo necessário a utilização de fertilizantes azotados.

Esta iniciativa inscreve-se no âmbito da missão do programa: “aumentar a literacia alimentar e nutricional e a capacitação dos cidadãos, de diferentes estratos socioeconómicos e etários, para as escolhas e práticas alimentares saudáveis e o incentivo de boas práticas sobre a rotulagem, publicada e marketing a produtos alimentares”, apresenta um conjunto de vídeos com receitas saudáveis, simples e práticas que podem ser facilmente reproduzidas e partilhadas.

Com estes vídeos de curta duração, a DGS procura adaptar-se ao ritmo de vida intenso dos cidadãos, facilitando a transmissão de informação e contribuindo para a adoção de hábitos alimentares saudáveis.

Para saber mais, consulte:

Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável – www.alimentacaosaudavel.dgs.pt

 

 

 

 

Fonte original: SNS РServi̤o Nacional de Sa̼de

67da4e217e.jpeg

Rastreio gratuito, de março a junho, em Loulé. Participe!

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, através do Núcleo de Rastreios Oncológicos, promove de 1 de março a 1 de junho de 2017, rastreio gratuito de cancro da mama, no concelho de Loulé.

A iniciativa, que decorre no âmbito do Programa de Rastreio do Cancro da Mama no Algarve, é dirigida a mulheres com idades compreendidas entre os 50 e os 69 anos. Uma unidade móvel de mamografia digital vai permanecer junto ao Centro de Saúde de Loulé, com o horário de funcionamento das 10 horas às 12h30 e das 14 horas às 16h30 (dias úteis).

Em caso de dúvida, as interessadas deverão contactar o Núcleo de Rastreio da ARS Algarve, através da linha de atendimento 289 889 912, nos dias úteis, das 10 às 12 horas.

O rastreio de base populacional, teve início em setembro de 2005 e encontra-se na 6.ª volta.  É efetuado com uma unidade móvel que percorre todos os concelhos do Algarve, em parceria com a Associação Oncológica do Algarve e os hospitais da região, sendo a convocatória, referenciação, gestão e monitorização do programa efetuado pelo Núcleo de Rastreios da ARS Algarve..

Visite:

ARS do Algarve – http://www.arsalgarve.min-saude.pt/

Fonte original: SNS РServi̤o Nacional de Sa̼de

5de3128429.jpeg

Uma meta-análise de larga escala permitiu concluir que a toma de suplementos de vitamina D poderá ajudar a prevenir as infeções agudas do trato respiratório, as quais constituem a maior causa de morte a nível global.

Anteriormente, tinham sido conduzidos estudos observacionais que detetaram um fator de risco nutricional – a deficiência de vitamina D. Foi concluído que a vitamina D tem a capacidade de desencadear uma resposta imune perante certas bactérias e vírus.

No entanto, existe controvérsia na associação entre as infeções do trato respiratório e os suplementos de vitamina D; alguns estudos atestam essa teoria, tendo reportado efeitos positivos, mas, todavia, outros foram inconclusivos, não tendo revelado efeitos significativos com a toma da vitamina.

O estudo conduzido por uma equipa internacional de investigadores teve como objetivo abordar esta questão. Para o efeito, a equipa contou com dados de participantes inpiduais em vez de agregar a metodologia que tinha sido utlizada em meta-análises anteriores. Isto permitiu considerar as alterações medidas em diferentes alturas para cada participante, em cada estudo.

A equipa utilizou dados de 25 estudos aleatórios controlados, dedicados aos suplementos de vitamina D e que envolveram um total de 11.321 participantes. Foram ajustadas variáveis como idade, sexo e duração do estudo.

Foi apurado que os suplementos de vitamina D produziam uma redução de 12% na proporção de inpíduos que tinham sofrido pelo menos uma infeção aguda do trato respiratório. Isto quer dizer que se 33 pessoas tinham tomado suplemento de vitamina D, tinha sido prevenida uma infeção aguda do trato respiratório.

A serem confirmados, estes resultados podem significar que os suplementos de vitamina D poderiam potencialmente prevenir milhões de infeções respiratórias todos os anos.

Ao efetuarem análises mais precisas dos dados utilizados, os investigadores descobriram que o efeito positivo dos suplementos de vitamina D tinham sido mais visíveis em participantes que tomavam vitamina D numa base diária ou semanal, mas sem exagerarem nas doses. Os inpíduos que apresentavam maiores deficiências de vitamina D (1 em cada 4 pessoas deste grupo necessitava de tomar vitamina D para prevenir uma infeção aguda do trato respiratório) revelaram também efeitos mais pronunciados com aquela suplementação.

“Os nossos resultados aumentam a evidência que suporta a introdução de medidas de saúde pública como fortificação de alimentos para aumentar os níveis de vitamina D, particularmente em ambientes onde é comum verificar-se uma profunda lacuna de vitamina D”.

Só em 2013, morreram cerca de 2,65 milhões de pessoas no mundo devido a pneumonias, bronquite e mesmo a constipações.

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

44f832cba2.jpeg
c968943e5f.jpeg

Telemonitorização de doentes reduz idas às urgências.

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) divulga que a avaliação a doentes com doença pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) telemonitorizados mostrou uma redução de 50% de internamentos e de 30% de idas à urgências, comparativamente a doentes não telemonitorizados.

De acordo com o CHUC, foram selecionados 12 doentes entre a população seguida nos Serviços de Pneumologia A (polo Hospital Universitário) e B (polo Hospital Geral) para a avaliação dos três anos de implementação da telemonitorização.

Para este estudo de caso foram considerados utentes com maior número de episódios de urgência e internamentos, refere o centro hospitalar.

Cada utente recebeu um kit de monitorização, um tablet e um conjunto de equipamentos de medição (oxímetro, termómetro, esfigmomanómetro e pedómetro/monitor de atividade física). O CHUC garantiu o acompanhamento inicial e formação de forma que os doentes pudessem realizar a monitorização diária dos respetivos parâmetros uma a duas vezes ao dia.

“A monitorização das medições efetuadas pelos doentes foi supervisionada diariamente por um centro de triagem que, para além da verificação dos dados, implementou um protocolo personalizado, criado pelos médicos assistentes do CHUC, por forma a fazer a despistagem de sintomas de alerta para a evolução do estado da doença”, revela o centro hospitalar.

De acordo com o CHUC, os dados mostram uma redução de 50% de internamentos e 30% de urgências em comparação com o período em que os doentes não eram telemonitorizados.

“A telemonitorização domiciliária provou ter efeitos positivos na diminuição do recurso aos meios hospitalares e na melhoria da qualidade de vida destes doentes”, acrescenta.

Futuramente, o CHUC pretende integrar um maior número de utentes no programa de telemonitorização e alargar o seu âmbito a outras doenças crónicas na área da cardiologia, diabetes e nefrologia.

A DPOC, patologia crónica do aparelho respiratório, que se caracteriza por obstrução progressiva e persistente do fluxo aéreo e está associada a inflamação crónica das vias pulmonares, é uma das principais causas de morbilidade crónica, de perda de qualidade de vida e de mortalidade, representando atualmente a quinta causa de morte em Portugal (2,4%).

 

Fonte original: SNS РServi̤o Nacional de Sa̼de

6787d49137.jpeg

A Sociedade Portuguesa de Medicina do Adolescente e a Associação de Saúde Infantil de Coimbra vão levar a efeito, de 17 a 19 de maio, no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, o 8º Congresso Nacional de Medicina do Adolescente.

Para informação mais detalhada consulte o documento em anexo.

Fonte Original: Direção-Geral de Saúde