Raio:

Terapia Hormonal de Substituição pode promover cancro da mama


Colocado por | Julho 17, 2017 | Notícias

24a9b63d11.jpeg

Um novo estudo sugeriu que as mulheres que seguem terapias hormonais de substituição apresentam uma maior incidência de cancro da mama.

Os médicos prescrevem frequentemente medicamentos com hormonas femininas para substituírem as que deixam de ser produzidas pelo organismo quando as mulheres se encontram na menopausa, reduzindo assim os sintomas que caracterizam aquele período.

No entanto, o estudo conduzido por uma equipa de investigadores da Universidade de Missouri, EUA, estabeleceu uma associação entre as progestinas naturais e artificiais e a produção de células cancerígenas especializadas que agem como células estaminais em humanos.

Para o estudo, a equipa analisou o efeito da progestina em marcadores celulares tipicamente encontrados no cancro da mama, tendo para o efeito usado células do cancro da mama que reagem a hormonas.

Foi observado que tanto as progestinas naturais como as sintéticas fizeram aumentar, de forma significativa, a expressão da molécula CD44, a qual está envolvida na proliferação, comunicação e migração celulares. A presença das progestinas fez também com que aqueles componentes evidenciassem um comportamento típico de uma espécie de células estaminais cancerígenas.

Este tipo de células são raras e agem como células estaminais normais, tendo a capacidade de se autorrenovarem, produzindo cópias delas próprias e proliferam de forma exponencial. Os investigadores detetaram ainda que a progestina fortalece este subtipo de células cancerígenas.

Salman Hyder, investigador neste estudo, da Faculdade de Medicina Veterinária e do Centro de Investigação Cardiovascular Dalton, comentou os resultados: “estes achados demonstram que a exposição a progestinas naturais e sintéticas conduz ao desenvolvimento desta espécie de células cancerígenas estaminais”.

“Estas células fazem aumentar bastante a possibilidade de resistência aos tratamentos e o risco de metástases. Os nossos achados sugerem ainda que os médicos poderão combater o crescimento de tumores dependentes da progestina através da imunoterapia”, acrescentou.

ALERT Life Sciences Computing, S.A.

404 total de vistas, 1 hoje